Centros da Juventude têm projetos sociais desenvolvidos por adolescentes

Comportamento
Ferramentas
Estilo

CURITIBA - PR - Depois que termina o turno escolar, muitos jovens, em Campo Largo, têm um compromisso diferente na agenda. Eles vão para o Centro da Juventude, localizado no bairro Bom Jesus. De segunda a sábado, uma média de 70 pessoas circulam pelo local. Desde 2011, a Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social entregou para municípios 24 Centros da Juventude em todo Estado.

É neste espaço público de convivência que crianças e adolescentes têm acesso a diversas atividades culturais, esportivas e de lazer que promovem seu desenvolvimento social. Uma das atividades desenvolvidas nos centros é o projeto Agentes de Cidadania, que oferece uma bolsa-auxílio de R$ 150 por mês aos adolescentes que se propõem a realizar uma iniciativa e aplicá-la nas comunidades onde os Centros da Juventude estão instalados. Em dois anos, 540 adolescentes de todo Paraná já participaram do projeto, que recebeu um investimento de R$ 693 mil do governo estadual.

PAIXÃO PELA DANÇA

Eloísa de Lara, de 17 anos, é Agente de Cidadania. Há três anos, ela conheceu o Centro de Juventude de Campo Largo por iniciativa da mãe. De lá para cá, a vida da adolescente mudou. Frequentando o centro, ela descobriu uma grande paixão: a dança.

Muitos alunos já participavam do projeto Break Social - que oferece aulas de dança relacionada à cultura Hip-Hop -, quando o professor que ministrava as aulas teve que deixar o projeto. Essa foi a oportunidade para que a adolescente e o colega Keslyn Henrique dos Santos Chiquito, de 18 anos, tomassem a iniciativa de continuar o projeto.

Foi assim que eles se tornaram Agentes de Cidadania, ao renascer o Break Social da garotada. O objetivo era atrair mais jovens para o universo da dança e impedir que tivessem contato com as drogas. Hoje, 20 alunos participam das oficinas de Break.

“Quando entrei aqui, eu era bem quieta. Depois, comecei a conhecer outras pessoas, desenvolvi a questão da fala. Era muito estressada e ansiosa e o Break me ajudou a superar isso”, diz Eloísa.

A adolescente conta que o resultado foi satisfatório até mesmo na escola. “Como a dança de rua exige uma série de movimentos, como mãos no chão, rodopios, saltos e corpo no ar, as táticas da coreografia também me ajudaram na concentração para as atividades escolares”.

NOVAS OPORTUNIDADES

Keslyn, de 16 anos, já participava de outro projeto social antes de conhecer o Centro da Juventude. Como estava ultrapassando a idade máxima para frequentar o local, ele foi para o Centro da Juventude. “Foi incrível, quase todos os meus amigos vieram daqui”, relata Keslyn.

Quatro vezes por semana o garoto frequenta o Centro em Campo Largo e participa do Break Social. Ele também desenvolve atividades relacionadas à assistência social. “Eu tinha um temperamento agitado. Agora já consigo desempenhar as atividades com mais calma”, afirma Keslyn, que estuda e é Jovem Aprendiz em uma empresa da cidade, na condição de assistente administrativo.

COMPROMISSO

A assistente social Edina Geremias da Silva acompanha as atividades dos jovens e relata que o compromisso dos dois adolescentes tem sido fundamental. “Eles estão no segundo ano de contrato. Levaram um ano desenvolvendo o projeto para que ele fosse colocado em prática. Nesse segundo ano, conseguiram fazer toda a trajetória”, conta Edina.

O amadurecimento dos adolescentes também é outro fator que a assistente social destaca. “Tivemos uma reunião de pais em meados de fevereiro ou março. Foi nesse momento que os pais deram o retorno. São filhos que tiveram saltos qualitativos”, explica a assistente social.

O coordenador do Centro da Juventude de Campo Largo, Fabiano Lapola, explica que muitos dos adolescentes que hoje frequentam o Centro da Juventude sofriam com evasão escolar. “Uma coisa que ajuda a reverter o quadro são os Agentes de Cidadania, que acabam voltando a estudar e conseguem recolocação no mercado de trabalho”, ressalta.

ATIVIDADES

Os jovens podem participar das atividades do Centro da Juventude de Campo Largo de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e aos sábados, das 12h às 18h. Dentre as atividades culturais e esportivas, destacam-se as oficinas de teatro, de dança, Break, Jazz e Muay Thai. O adolescente também pode participar de mais de uma atividade. Já para os agentes de cidadania, os projetos estão voltados à proteção ao meio ambiente, proteção à pessoa idosa e à área de assistência social, por exemplo.

Para ver os endereços dos demais Centros da Juventude no Paraná, clique aqui.

Reportagem: Agência Estadual de Notícias
Fotos: Aliocha Maurício / SEDS

 

Adicionar comentário

Os comentários não representam a opinião do Jornal/Portal do Iguassu, sendo de total responsabilidade de seus autores. Os usuários do Portal podem comentar os artigos e os comentários de outros usuários. Não há um limite preestabelecido de comentários por artigo, no entanto, os moderadores podem, a qualquer momento, encerrar os comentários, se um determinado artigo estiver causando discussão exagerada ou fora do assunto tema.
Palavra ofensivas, de baixo calão ou desrespeitosas, ocasionarão o bloqueio do IP do usuário. Usuários bloqueados, cujo acesso se der através de redes corporativas, provocarão o bloqueio de toda a rede, impedindo o acesso dos demais usuários. Uma vez bloqueado, o IP só será liberado após identificado o usuário que tiver infringido as regras de postagem.


Código de segurança
Atualizar