Ex-presidente Humala e esposa já estão detidos no Peru por caso Odebrecht

Política
Ferramentas
Estilo

LIMA - PERÚ - O ex-presidente do Peru Ollanta Humala e sua esposa Nadine Hereida ingressaram ontem (13) à noite na prisão do Palácio de Justiça, em Lima, em cumprimento a uma ordem de detenção preventiva por 18 meses ditada pelo juiz Richard Carhuancho. A informação é da agência Télam.

Humala e Heredia chegaram à sede judicial em uma camionete da polícia, depois de apresentarem-se à Sala Penal Nacional, onde o magistrado aprovou o pedido da procuradoria peruana, que os investiga pelos presumíveis delitos de lavagem de dinheiro e associação ilícita para delinquir, decisão que o converteu no primeiro ex-governante da América Latina preso por sua relação com  os casos de corrupção da empresa brasileira Odebrecht, segundo despachos das agências de notícias EFE e Reuters.

Ao chegar ao Palácio da Justiça, Humala e Heredia vestiam coletes à prova de balas e foram conduzidos à prisão, onde esperaram até que seja designada uma prisão onde ficarão reclusos.

O juiz Richard Carhuancho pediu também a prisão para a esposa de Humala depois que um procurador acusou o casal de haver recebido 3 milhões de dólares da construtora Odebrecht para a campanha eleitoral que o levou à presidência do Peru em 2011, segundo declarações do ex-presidente da empresa, Marcelo Odebrecht, que está preso.

Repórter: Da Agência Télam
Edição: Augusto Queiroz
Foto: Agência Télam

 

Adicionar comentário

Os comentários não representam a opinião do Jornal/Portal do Iguassu, sendo de total responsabilidade de seus autores. Os usuários do Portal podem comentar os artigos e os comentários de outros usuários. Não há um limite preestabelecido de comentários por artigo, no entanto, os moderadores podem, a qualquer momento, encerrar os comentários, se um determinado artigo estiver causando discussão exagerada ou fora do assunto tema.
Palavra ofensivas, de baixo calão ou desrespeitosas, ocasionarão o bloqueio do IP do usuário. Usuários bloqueados, cujo acesso se der através de redes corporativas, provocarão o bloqueio de toda a rede, impedindo o acesso dos demais usuários. Uma vez bloqueado, o IP só será liberado após identificado o usuário que tiver infringido as regras de postagem.


Código de segurança
Atualizar