Mais da metade das famílias paulistanas estão endividadas, diz Fecomercio

Economia
Ferramentas
Estilo

SÃO PAULO - BR - A proporção de famílias paulistanas que tem algum tipo de dívida subiu 0,2 ponto percentual em outubro e atingiu 51,9%, somando cerca de 1,997 milhão de famílias, segundo a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), esta foi a quarta alta mensal consecutiva no índice da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) e a maior taxa dos últimos doze meses.

Na comparação com outubro do ano passado, o índice apresentou queda de 0,5 ponto percentual.

Para a Fecomercio, isso mostra a dificuldade que as famílias estão encontrando para manter o orçamento equilibrado em um cenário de inflação e juros altos e desemprego crescente.

Entre as famílias endividadas, a maior parte (55% do total) corresponde a lares com renda inferior a dez salários mínimos.

Para a federação, as famílias de renda mais baixa são as que mais sentem o impacto do aumento dos preços dos produtos de necessidades básicas, tendo que recorrer a formas de crédito para complementar o orçamento.

Entre os consumidores que estão endividados, 35,2% comprometeram sua renda por mais de um ano com dívidas; 24,4% em até três meses; 19,8% entre três e seis meses e 18% entre seis meses e um ano.

Inadimplência

Em outubro, 18,8% das famílias da cidade de São Paulo – ou cerca de 722 mil famílias – disseram estar com contas em atraso, o que representou queda de 1,1 ponto percentual em relação a setembro. Na comparação com outubro do ano passado, a alta foi de 0,8 ponto percentual. Desse total, 47,9% têm contas vencidas a mais de 90 dias.

Tipos de dívida

 

O cartão de crédito é a forma mais utilizada pelas famílias endividadas, sendo utilizado por 72,6% dos entrevistados em outubro, seguido pelo financiamento do carro (13,7%), crédito pessoal (13,5%), carnês (11,5%), financiamento da casa (11,3%) e cheque especial (8,5%).

A proporção de famílias paulistanas que tem algum tipo de dívida subiu 0,2 ponto percentual em outubro e atingiu 51,9%, somando cerca de 1,997 milhão de famílias.

Segundo a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), esta foi a quarta alta mensal consecutiva no índice da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) e a maior taxa dos últimos doze meses. Na comparação com outubro do ano passado, o índice apresentou queda de 0,5 ponto percentual.

Para a Fecomercio, isso mostra a dificuldade que as famílias estão encontrando para manter o orçamento equilibrado em um cenário de inflação e juros altos e desemprego crescente.

Entre as famílias endividadas, a maior parte (55% do total) corresponde a lares com renda inferior a dez salários mínimos.

Para a federação, as famílias de renda mais baixa são as que mais sentem o impacto do aumento dos preços dos produtos de necessidades básicas, tendo que recorrer a formas de crédito para complementar o orçamento.

Entre os consumidores que estão endividados, 35,2% comprometeram sua renda por mais de um ano com dívidas; 24,4% em até três meses; 19,8% entre três e seis meses e 18% entre seis meses e um ano.

Inadimplência

Em outubro, 18,8% das famílias da cidade de São Paulo – ou cerca de 722 mil famílias – disseram estar com contas em atraso, o que representou queda de 1,1 ponto percentual em relação a setembro. Na comparação com outubro do ano passado, a alta foi de 0,8 ponto percentual. Desse total, 47,9% têm contas vencidas a mais de 90 dias.

Tipos de dívida

O cartão de crédito é a forma mais utilizada pelas famílias endividadas, sendo utilizado por 72,6% dos entrevistados em outubro, seguido pelo financiamento do carro (13,7%), crédito pessoal (13,5%), carnês (11,5%), financiamento da casa (11,3%) e cheque especial (8,5%).

Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil - Foto Divulgação

 

 

Adicionar comentário

Os comentários não representam a opinião do Jornal/Portal do Iguassu, sendo de total responsabilidade de seus autores. Os usuários do Portal podem comentar os artigos e os comentários de outros usuários. Não há um limite preestabelecido de comentários por artigo, no entanto, os moderadores podem, a qualquer momento, encerrar os comentários, se um determinado artigo estiver causando discussão exagerada ou fora do assunto tema.
Palavra ofensivas, de baixo calão ou desrespeitosas, ocasionarão o bloqueio do IP do usuário. Usuários bloqueados, cujo acesso se der através de redes corporativas, provocarão o bloqueio de toda a rede, impedindo o acesso dos demais usuários. Uma vez bloqueado, o IP só será liberado após identificado o usuário que tiver infringido as regras de postagem.


Código de segurança
Atualizar