Especialista diz que cura da droga depende de ação multidisciplinar

Geral
Ferramentas
Estilo

CASCAVEL - PR - O psicólogo uruguaio Pablo Kurlander, doutorando em Saúde Coletiva pela Unesp de Botucatu (SP) e um dos mais renomados especialistas latino-americanos em políticas públicas de tratamento contra dependência química, proferiu na manhã desta quarta-feira (19), ao lado do também especialista no assunto Paulo Kurlander, palestra voltada à recuperação de dependentes químicos e capacitação para gestores públicos dos 52 municípios da área de abrangência da Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná).

Segundo Pablo, a dificuldade em livrar as pessoas do vício drogadício é um imenso desafio, que só consegue ser vencido, na maioria das vezes, quando há um trabalho integrado de recuperação do dependente. Esse trabalho precisa ser multidisciplinar, ou seja, deve envolver ações terapêuticas, sociais, familiares e do círculo de convívio do paciente.

E as políticas públicas que atuam neste segmento precisam ser uniformizadas em seu método, porque ainda há muita ação descoordenada e distante de um método eficaz. Quando se trata de disseminação de políticas públicas, é preciso seguir um norte cartesiano e evitar métodos não consagrados e distantes do rigor científico.

Os palestrantes, ambos ex-dependentes, pertencem à Febract (Federação Brasileira de Comunidades Terapêuticas). "A dependência ao álcool e às drogas costuma fragilizar as pessoas. Portanto é preciso que todos os que se propõem a trabalhar por sua recuperação tenham, além do sentimento de solidariedade humana, um decidido comportamento ético", observa. Por isso, Pablo defende a sistematização das ações e a desmitificação do assunto. "O consumo de droga e álcool é uma doença e não distúrbio social. Seu tratamento custa bem menos do que os estragos à sociedade que o vício acarreta, bem como permite uma economia substancial de recursos disponibilizados para o tratamento no âmbito da saúde", diz.

Reportagem: Assessoria AMOP
Fotos: Vista Publicidade e Propaganda

 

Adicionar comentário

Os comentários não representam a opinião do Jornal/Portal do Iguassu, sendo de total responsabilidade de seus autores. Os usuários do Portal podem comentar os artigos e os comentários de outros usuários. Não há um limite preestabelecido de comentários por artigo, no entanto, os moderadores podem, a qualquer momento, encerrar os comentários, se um determinado artigo estiver causando discussão exagerada ou fora do assunto tema.
Palavra ofensivas, de baixo calão ou desrespeitosas, ocasionarão o bloqueio do IP do usuário. Usuários bloqueados, cujo acesso se der através de redes corporativas, provocarão o bloqueio de toda a rede, impedindo o acesso dos demais usuários. Uma vez bloqueado, o IP só será liberado após identificado o usuário que tiver infringido as regras de postagem.


Código de segurança
Atualizar