66% das mulheres descobrem o Câncer de mama pelo auto exame

Saúde
Ferramentas
Estilo

Levantamento inédito do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) com pacientes do Instituto revelou que as próprias mulheres identificam, na maior parte dos casos, sinais e sintomas do câncer de mama, incluindo doença em estágio inicial e intermediário, quando as chances de sobrevida são maiores.

Os dados da pesquisa foram divulgados no dia de 6 de outubro de 2016, durante o lançamento da campanha nacional que marca o Outubro Rosa 2016: “Câncer de mama: vamos falar sobre isso?", na sede do INCA, no Rio de Janeiro. A doença foi percebida pela primeira vez, em 66,2% dos casos, pelas próprias pacientes ao notarem alguma alteração na mama. O percentual de mulheres que identificou a doença por meio da mamografia ou de outro exame de imagem foi de 30,1%, enquanto em apenas 3,7% dos casos a suspeita inicial foi de um profissional de saúde. Ou seja, em dois terços do total, a própria mulher percebeu alterações na mama como possível sinal de um câncer de mama.

O estudo foi conduzido pela equipe do Núcleo de Pesquisa Epidemiológica da Divisão de Pesquisa Populacional do INCA com mulheres que procuraram pela primeira vez atendimento devido a um câncer de mama, entre junho de 2013 e outubro de 2014. Foram ouvidas 405 moradoras do Rio de Janeiro. “É importante que as mulheres notem as mensagens enviadas pelo próprio corpo para que a doença seja descoberta no início", disse a chefe da Divisão de Pesquisa Populacional do INCA, a médica epidemiologista Liz Almeida.

Liz Almeida acentuou a importância não apenas do diagnóstico, mas também da prevenção. “São cerca de 58 mil casos de câncer de mama por ano", disse ela. “Apenas com a manutenção do peso corporal adequado seria possível reduzir esse número em 10%". Ela comparou o enfretamento do câncer de mama a uma corrida de revezamento: a mulher recebe as mensagens do corpo, corre para o médico, tem serviço de apoio, diagnóstico e depois segue para o centro de tratamento. “O tempo é precioso", frisou.

Desde 2010, o INCA participa deste movimento Outubro Rosa, promovendo espaços de discussão sobre o controle do câncer de mama e divulgando e disponibilizando seus materiais informativos, trazendo qualidade para o debate, tanto para os profissionais de saúde quanto para a sociedade.

Segundo um levantamento do Instituto estima-se que até o fim do ano de 2016, o estado do Paraná registre 3.730 novos casos de câncer de mama, cerca de dez por dia. Em 2015, foram 3.490 novos casos no Estado.

 

Adicionar comentário

Os comentários não representam a opinião do Jornal/Portal do Iguassu, sendo de total responsabilidade de seus autores. Os usuários do Portal podem comentar os artigos e os comentários de outros usuários. Não há um limite preestabelecido de comentários por artigo, no entanto, os moderadores podem, a qualquer momento, encerrar os comentários, se um determinado artigo estiver causando discussão exagerada ou fora do assunto tema.
Palavra ofensivas, de baixo calão ou desrespeitosas, ocasionarão o bloqueio do IP do usuário. Usuários bloqueados, cujo acesso se der através de redes corporativas, provocarão o bloqueio de toda a rede, impedindo o acesso dos demais usuários. Uma vez bloqueado, o IP só será liberado após identificado o usuário que tiver infringido as regras de postagem.


Código de segurança
Atualizar