Os relatos emocionantes de quem já teve câncer de mama

Saúde
Ferramentas
Estilo

Foz do Iguaçu - PR - Qual seria sua reação ao receber o diagnóstico positivo de câncer de mama? E se o médico lhe contasse também que a mastectomia, a extração da mama, será inevitável? As duas notícias foram dadas de uma só vez para a camareira Ester Santana Pereira, de 37 anos. Ela e outras pacientes que enfrentaram a doença relataram seus dramas nesta sexta-feira (21) a um grupo de mulheres que participou do Outubro Rosa na Unidade Básica de Saúde (UBS) Vila C Velha, na região Norte de Foz do Iguaçu.

A história de Ester anda na contramão da maior parte das mulheres diagnosticadas com câncer de mama. Entre os fatores de risco, estão predisposição genética, a idade, a menopausa, a densidade das mamas e a reposição hormonal. “Na minha família não há histórico da doença, sou a primeira a enfrentar esse problema. Também sempre tive hábitos saudáveis, nunca fumei, não consumo bebidas alcoólicas, não sou sedentária e nem obesa”, relatou.  

Ester terminou o tratamento há quatro meses. Ainda faz exames periódicos para evitar surpresas, mas considera-se curada. “Receber o diagnóstico de câncer é muito difícil. A gente acha que a vida acabou. Mas eu decidi não me entregar, e passei a enfrentar o problema com alegria, com sorriso no rosto. Ter coragem e esperança faz toda a diferença”, ensina.  

Reagir à doença é um estímulo que nasce na paciente, mas deve ser alimentado diariamente. Há oito meses, Jucelí Pereira da Silva, de 47 anos, está livre da quimioterapia. “Eu superei o susto e encontrei forças para lutar contra o câncer com apoio da minha família. Meu esposo, meus filhos, meus pais, todos os parentes, não me deixaram desanimar. A doença uniu ainda mais a gente”, relatou a agente comunitária de saúde.  

Os depoimentos instigaram outras mulheres a cuidar da própria saúde. Só durante a manhã, foram agendadas mais de 30 mamografias no posto de saúde da Vila C. O exame deve ser feito anualmente após os 40 anos. “Convidamos essas mulheres que enfrentaram o câncer para mostrar que é possível vencer a doença, para estimular o autoexame e as visitas periódicas ao médico”, explicou a supervisora do distrito Norte, Terezinha Kaspari.  

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima que até o fim do ano o Paraná registre 3.730 casos de câncer de mama, cerca de dez por dia. Em 2015, foram 3.490 novos casos no Estado.  

PROGRAMAÇÃO – Além da Vila C Velha, outros postos de saúde realizaram programação especial do Outubro Rosa nessa sexta-feira. Os agendamentos de mamografias e preventivo de câncer de colo de útero também foram estimulados nas UBSs Morumbi II, Carimã e Cidade Nova. No sábado (22), haverá atendimento nas UBSs Porto Belo (8h às 14h) e Três Bandeiras (8h às 12h).

 

Adicionar comentário

Os comentários não representam a opinião do Jornal/Portal do Iguassu, sendo de total responsabilidade de seus autores. Os usuários do Portal podem comentar os artigos e os comentários de outros usuários. Não há um limite preestabelecido de comentários por artigo, no entanto, os moderadores podem, a qualquer momento, encerrar os comentários, se um determinado artigo estiver causando discussão exagerada ou fora do assunto tema.
Palavra ofensivas, de baixo calão ou desrespeitosas, ocasionarão o bloqueio do IP do usuário. Usuários bloqueados, cujo acesso se der através de redes corporativas, provocarão o bloqueio de toda a rede, impedindo o acesso dos demais usuários. Uma vez bloqueado, o IP só será liberado após identificado o usuário que tiver infringido as regras de postagem.


Código de segurança
Atualizar