Boca Maldita - 02 de Dezembro de 2016

Estilo

Operação toupeira

A operação da Polícia Civil que prendeu o advogado Silvio Rorato e o engenheiro Rogério Siqueira, suspeitos de terem torturado e assassinado Igor Moraes de Souza (17 anos), se chamou “Toupeira”. Tudo devido à mensagens encontradas pela polícia no celular de Rorato durante as investigações. Pelo aplicativo WhatsApp, ele e Rogério chamavam os policiais de "toupeiras" pois duvidavam que o crime seria solucionado. Agora a polícia quer saber quem é toupeira.


Engenheiro tinha muitas armas

Vejam a quantidade de armas que a polícia encontrou em poder do engenheiro Rogério Siqueira: um pistola Glock calibre 380, um revólver marca Taurus calibre 38, 18 munições calibre 38, 28 munições calibre 9mm court, cinco munições calibre 22 e 319 estojos de munição de seis calibres distintos. Pelo jeito, o engenheiro gostava de fazer seus projetos utilizando armas e munições.


Não morro de amores por ela

Ao comentar os problemas da saúde do município na Câmara, o vereador Dilto Vitorassi afirmou: “Não morro de amores pela Ivone, mas ela foi a única a ter coragem de devolver o hospital municipal ao Estado. Agora o município pode investir na atenção básica”.


Também não morro de amores por ele

Durante a aprovação do projeto que remanejou de R$ 2,5 milhões para a Vital Engenharia, Vitorassi disse que a grana seria para o pagamento dos garis. Paulo Rocha foi fundo e descobriu que o dinheiro era para pagar serviços que a Vital prestou na época da tempestade de granizo que se abateu sobre o Porto Meira, em 7 de setembro do ano passado. Parece que agora, Rocha entrou na lista dos desamores do gringo.


Vereador arrependido

Paulo Rocha disse que se pudesse voltar ao passado não votaria a favor do prefeito como ocorreu tantas vezes. “Querem nos empurrar goela abaixo esse projeto do Refis, mas eu não vou cair mais nessa pegadinha. Por causa desse governo, os vereadores estão pagando caro, caímos nesta desgraceira total”, afirmou.


Vergonha na cara

A Câmara rejeitou projeto de lei da prefeita, que tirava R$ 510 mil da educação para pagar “honorários de sucumbência” dos procuradores. Vitorassi disse que os procuradores chegam a ganhar R$ 30 mil por mês e “deveriam ter vergonha na cara de induzir a prefeita a um erro desses”. Para Vitorassi, sucessivos prefeitos têm medo dos procuradores, a quem classificou como “cardeais”.


Polêmico Refis

Fernando Duso disse que se tivesse de promulgar o projeto do Refis, entregaria para o primeiro vice-presidente, que é Beni Rodrigues. Este respondeu na tampa: “eu devolverei na mesma hora para o senhor”. Os vereadores estão com medo de votar um projeto que pode ser ilegal, pois já levaram uma chibatada do promotor ao permitirem a utilização da verba de iluminação pública para a Saúde.


Briga de rinocerontes

A que ponto o nosso Brasil varonil chegou. Os Poderes, que conforme prevê a Constituição, deveriam conviver de forma harmônica e independente entre si, estão travando uma verdadeira briga de rinocerontes. O problema, é que o fazem dentro de uma sala de cristais. O resultado, todo mundo já sabe qual será. E quem pagará os cristais quebrados, quando apertarem as mãos e sentarem para tomar um whisky escocês 21 anos, em algum caro Pub de Brasília? Claro que o povo…


O Maia é que está certo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, na maior cara de pau, polida com óleo de peroba importado da Índia, disse em claro e bom tom, que quem legisla é o Legislativo, deixando claro que criarão e aprovarão o que bem entenderem, e que estão se lixando se o povo, ou o Judiciário, não gostar, afinal, quem faz as leis são eles. E, nessa hora, onde estão os “patriotas” e os “revoltados”, e os demais trouxas para protestar e pedir uma intervenção militar na Câmara dos Deputados? Devem estar muito ocupados postando piadinhas do Lula nas redes sociais…


Bom mesmo seria o troco bem dado

Por outro lado, os juízes poderiam se dar por conta que, assim como quem legisla é o Legislativo, quem julga é o Judiciário, e, combinadinho passar a caneta nas pilhas de processos a que essa corja responde nos mais variados Tribunais, e colocar toda essa pilantrada atrás das grades. Afinal, quem julgará em segunda e terceira instância, serão outros juízes, não é mesmo? Mas quem garante que os Tribunais Superiores manterão o que decidirem os tribunais de primeira e segunda instâncias? Aí está a Ministra Luciana Lóssio que não nos deixa mentir. Campeã de modificar sentença dada por unanimidade em colegiados do TRE.


Benefício colateral

Estávamos em uma reunião dos Bocudos, à távola quadrada, nos perguntando se para o povo isso realmente interessa? Se o povo pudesse escolher entre ter esse monte de juízes e promotores, trabalhando dia e noite, incansavelmente, para punir em tempo recorde os envolvidos na Lava Jato, ou para julgar os milhões de processos que se acumulam pelos fóruns desse país, sem solução há décadas, o que prefeririam? Quanta empresa já quebrou pela falta de julgamento de uma demanda? Quanta gente já morreu, à espera de uma indenização, de uma aposentadoria? Quantos brasileiros já caíram ante a inércia e ineficácia do Judiciário?


Caçada pela culatra

Com o único e claro objetivo de tomar o poder de Dilma Roussef, foi iniciada a Operação Lava Jato, que ia de vento em popa. No entanto, o diabo é ardiloso: faz a panela, mas não faz a tampa. Sem conseguir controlar o rumo das investigações (pois o governo do PT deu independência à PF), que atinge todos os partidos, dos novatos aos intocáveis caciques que sempre se locupletaram às custas do povo, o Congresso, encurralado pelo tigre que ele mesmo criou e alimentou, quer engessar o Judiciário. Não só o tiro saiu pela culatra, afinal, a coisa era só para cassar a Dilma, deixar a petezada inelegível e tomar o Poder… Não era para toda essa bagunça…


Fora de controle

O problema é que, só agora, os Poderes se deram por conta que não sabem como terminar o que começaram. De um lado estão os alienados que querem somente os membros do PT extirpados da vida pública; mas, do outro, estão os que querem todos os criminosos, sem importar o partido a que estão por conveniência filiados nesse momento, e que estão há 30 anos ou mais mamando nos Legislativos, presos. O Judiciário ficou em uma barca furada, pois leva porrada de todo o lado.


E não é isso o que querem?

Com a transformação, na calada da noite, da Lei Anticorrupção na “Lei do Pode Roubar Que Nada Te Acontecerás, Se Fores Político”, o Ministério Público ameaça renunciar coletivamente. Mas, não é exatamente isso o que os pilantras do Planalto querem? Qual o problema de juízes e promotores poderem ser enquadrados por responsabilidade, se serão os promotores que terão que denunciar, e os juízes que terão que julgar? Podem parar com esse negócio de renunciar. O que é preciso é aumentar o ritmo para colocar essa gente na cadeia. Os Bocudos sugerem iniciar a lista com os que votaram a mudança na Lei Anticorrupção.


Encontro de prefeitos na cidade sem prefeito

Foz do Iguaçu é sede de um encontro de prefeitos eleitos no último pleito. O evento, entre prefeitos eleitos e prefeitos que estão no cargo, reuniu mais de 500 chefes de Executivos de todo o Paraná. Quanta ironia, pois o atual prefeito de Foz, que há pouco estava preso, está afastado do cargo; o mais votado nas últimas eleições está impugnado; o declarado eleito (segundo mais votado), não tem perspectiva de assumir; e a interina, não tem ideia do que está fazendo… E, o TSE mantém o julgamento do caso de Paulo Mac Donald em alguma gaveta, sem pressa alguma para julgar. A cidade de mais de 250 mil habitantes, segundo maior destino turístico do Brasil, localizada na fronteira com dois importantes países da América do Sul, não tem nenhuma importância para os Ministros do TSE, que julgam, a passos de tartaruga, casos de pequenas cidades, deixando Foz sem governo e sem rumo.

 

Adicionar comentário

Os comentários não representam a opinião do Jornal/Portal do Iguassu, sendo de total responsabilidade de seus autores. Os usuários do Portal podem comentar os artigos e os comentários de outros usuários. Não há um limite preestabelecido de comentários por artigo, no entanto, os moderadores podem, a qualquer momento, encerrar os comentários, se um determinado artigo estiver causando discussão exagerada ou fora do assunto tema.
Palavra ofensivas, de baixo calão ou desrespeitosas, ocasionarão o bloqueio do IP do usuário. Usuários bloqueados, cujo acesso se der através de redes corporativas, provocarão o bloqueio de toda a rede, impedindo o acesso dos demais usuários. Uma vez bloqueado, o IP só será liberado após identificado o usuário que tiver infringido as regras de postagem.


Código de segurança
Atualizar